Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mais sobre mim

foto do autor


calendário

Fevereiro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728


Pesquisar

 


PÃO & FONEMA do ESCRITOR CABO-VERDIANO CURSINO FORTES

Quinta-feira, 24.02.11

PÃO & FONEMA

 

É

 o primeiro livro de Corsino Fortes publicado em 1973 e que mais tarde foi integrado na trilogia "A Cabeça Calva de Deus", editada por Publicações D. Quixote, 2001, que incorpora também "Árvore & Tambor" e "Pedras de Sol & Substância", procura, emblemática e teluricamente, expressar esta luta titânica de afirmação do homem cabo-verdiano, entre a secura do céu e a cabeça calva da ilha.

A geração da Claridade lançou os alicerces da nova poesia que depois é continuada pelos escritores pelos escritores que colaboram em outras duas publicações, a Certeza (1944) e o Suplemento Cultural (1958). A geração da Claridade influenciou, e continua a influenciar, grande parte da produção poética e ficcionista de Cabo Verde.

O salto qualitativo e a ruptura com a influência dos claridosos devem-se a dois escritores que chegaram a participar na revista Claridade. Estou a referir-me a João Varela (aliás João Vário, ou Timótio Tio Tiofe) que publicou em 1975, O primeiro livro de Notcha, e Corsino Fortes, autor de dois importantes trabalhos poéticos, Pão & Fonema (1975) e Árvore & Tambor (1985). É sobretudo Corsino Fortes que provoca o maior desvio de conteúdo temático e formal. O livro Pão & Fonema deixa perceber a intenção do autor em reescrever a história do povo em termos de epopeia. O livro abre com uma Proposição que constitui, por si só, uma demarcação da poesia de tipo estático dos claridosos. Repare-se na primeira estrofe:

Ano a ano
           crânio a crânio
Rostos contornam

           o olho da ilha
com poços de pedra
           abertos
           no olho da cabra

Esta cadência ritmada do esforço humano marca o compasso da epopeia que se pretende escrever, intenção que o autor condensa na epígrafe da autoria de Pablo Neruda: Aqui nadie se queda inmóvel./Mi pueblo es movimiento ./mi pátria es um camino. O poema desenrola-se depois em dois cantos que justificam o título.

Este livro de Corsino Fortes é, quanto a mim, o desenvolvimento e expansão de uma metáfora que se inicia com o título. O povo tomou conta da sua terra (o Pão) e do seu destino (a fala que dá nome às coisas, que indica posse). A utilização do crioulo em muitos poemas é intencional, uma vez que fala, anterior à escrita, é o grande sinal da liberdade que se tornou património, tal como a terra. Daqui o subtítulo do canto primeiro - Tchon de Pove, Tchon de Pedra; Daqui também os subtítulos de outros dois cantos - Mar & Matrimónio e Pão & Matrimónio.

É evidente que toda problemática de raiz cabo-verdiana está presente na obra de Corsino Fortes. A nova poesia é uma expressão artística cuja formulação sugere, reflecte e intervém na dinâmica do real. Este autor, para além de criar uma nova dinâmica de ralações entre o sujeito e o objecto poético, coloca toda a problemática cabo-verdiana num contexto muito mais vasto que é o da África. Cabo Verde, com sua especificidade, que é o isolamento de arquipélago, participa na viagem de construção da África de rosto e corpo renovado:

Dos seios da ilha ao corpo da África
O mar é ventre E umbigo maduro
E o arquipélago cresce

 

Caminhando pelos passos do Prof. Dr. Mesquitela Lima, no seu estudo analítico sobre "Pão & Fonema", ele interroga-se sobre a razão do título e esclarece:

"(…) Porquê Pão? Compreende-se perfeitamente a razão do emprego de tal termo. Um dos grandes dramas de Cabo Verde são as secas, crises cíclicas que emolduram a forma de pensamento do homem cabo-verdiano e que o predispõem, pode dizer-se, a um certo fatalismo em relação ao pão do dia-a-dia. Devido a todo um conjunto de factores de ordem geográfica, as chuvas são erráticas e, devido a outro conjunto de ordem cultural, o homem cabo-verdiano está de tal maneira vinculado à terra - é um agricultor "teimoso" - que mesmo sabendo que não vai chover lança o milho nos campos, na esperança de uma magra colheita. Determinismo ou fatalismo dramático que gira em círculo e que se traduz no binómio milho-chuva que o poeta simboliza ou funde num só termo - pão - e que, ao fim e ao cabo, corresponde à relação binária acima citada: da cópula - milho-chuva - há pão, da não cópula, há fome. Por consequência, no poema, o termo pão conota não só o pão para a boca, a comida do dia-a-dia, a necessidade primária, mas também a fome a que os Cabo-verdianos se vão habituando, qual fantasma ciclópico ou espada de Dâmocles balançando permanentemente sobre a cabeça do povo, no chão de pedra, mas chão do povo.

Quanto ao emprego do termo fonema, a escolha não podia ser mais acertada. Fonema, em linguística, é o elemento irredutível de qualquer sistema fonético. Linguisticamente falando, fonema não tem muita importância, pois frase é que é fundamental para a denominada compreensão, para a significação. Então porquê fonema e não frase? Fonema, como elemento linguístico, é independente, não implica subordinações ou hierarquias; frase é sempre sujeita a um discurso, com uma estrutura interna que desenvolve normalmente reacções e movimentos. Em Fortes, porém, fonema ultrapassa o elemento sonoro da linguagem, considerado do ponto de vista de uma fisiologia ou de uma acústica. No poema, fonema vem do fundo das goelas, das entranhas da alma, como um grito, como um lamento uníssono de um povo que faz parte integrante há quatrocentos anos e que procura a liberdade e PÃO a que tem direito. Fonema é, no poema, sinal de afirmação de si próprio, como povo, como cultura, como dignidade, como projecção no mundo. Para o povo, fonema é o seu grito de independência, de liberdade, liberdade essencial que vem do não consciente, do não pensado, do não racionalizado, traduzindo ao mesmo tempo um estado de espírito e uma natureza peculiar".

Também no seu estudo interpretativo sobre "Pão & Fonema", a Dr.ª Fátima Fernandes, leitora de Português do Instituto Camões em Cabo Verde, acresce o seguinte:

"(…) E, uma vez que estamos no campo dos símbolos, permitam-nos apresentar um dado curioso - a obra é composta de três partes 1…) Da simbologia dos números, estes levam-nos a atribuir um significado especial à sua presença na obra e a uma compreensão global da mesma. Efectivamente, na palavra pão encontramos três fonemas: 'p', 'ã' e 'o'. Três é universalmente tomado como um número fundamental. O dicionário dos símbolos regista que este número sagrado 'exprime uma ordem intelectual e espiritual, em Deus, no cosmos ou no homem. Ele sintetiza a tri-unidade do ser vivo ou resulta da conjugação de 1 e 2, produto, nesse caso, da União do Céu e da Terra' (…) Três é a expressão da totalidade, da conclusão: nada lhe pode ser acrescentado. É o acabamento da manifestação: o homem, filho do Céu e da Terra, completa a Grande Tríade, e nada mais ajustado ao contexto em que nos apresentamos (…)"

"(…) "Pão & Fonema" é ainda o grito de liberdade de ser substância, palavra e voz. Saciada a fome, o povo canta ao ritmo dos tambores, que na sua plenitude remetem para a tradição africana, e para o momento em que se impôs uma nova linguagem de identidade com África, ao ritmo de festa e de alegria de que só a solidariedade entre os povos é testemunha. É uma das mais antigas formas de comunicação para valorizar e perpetuar a cultura africana e universal. A Árvore, que representa a vida e a natureza, tão adversa à sorte do povo cabo-verdiano, encontra no Tambor a sua metade, também vida, dinamismo, sustentáculo de toda uma cosmogonia (…)"

Para terminar, transcrevemos um poema do livro, que procura traduzir ou surpreender o homem, já liberto e responsável, consciente que no universo globalizante do pão, ele não é só gregário, como também actor e autor do seu próprio destino:

Não há fonte que não beba da fronte deste homem.

                       I

Nas rugas deste homem

Circulam

estradas de todos os pés que emigram

Nas rugas deste homem

 

Quebram-se

vivas! as ondas de todas pátrias

Anulam-se

de perfil! as chinas de todas muralhas

 

Na mão bíblica

No humor bíblico deste homem

crepitam de joelhos

 

Desertos & catedrais

Onde

deus & demónio

jogam

                   noite e dia

             a sua última cartada

E do pó da ilha à mó de pedra

Não há relâmpago

Que não morda a nudez deste homem

Nudez de liberta!

Que a dor germina

E o espaço exulta

E pela ogiva

ogiva do olho

Não há poente

Que não seja

Uma oração de sapiência

 

Sobre a face deste homem

o povo ergueu a praça pública

E os tambores transportam

o rosto deste homem

Até à boca das ribeiras

E ao redor

os vulcões respeitam

o silêncio deste homem

 

                       I I

Não há chuva

Que não lamba o osso de tal homem

À porta da ilha

Diz o sal de toda a saliva

O sol ondula oceanos no sangue deste homem

 

Oh cereal altivo! vertical & probo

Ainda ontem

antes do meio-dia

O vento punha velas na viola deste homem

Hoje!

A viola

De tal dor é sumarenta

E projecta

sobre as almas

a seiva

De uma árvore imensa

Oh oceanos! que ladram à boca das tabernas

Se o sangue deste homem

é tambor no coração da ilha

O coração deste homem

é corda no violão do mundo

E os joelhos

rodas que vão! hélices que sobem

com ilhas no interior

 

                       I I I

Sombras sobre a colina Rosto sobre o povoado

Quando

pastor & gado jogam à cabra-cega

E chifres de sol

       projectam

cidadelas no ocidente

O poente galopa a maré-alta

       E ergue

"À taça da noite

Sobre as têmporas deste homem"

 

Oh noite verde! oh noite violada

Que a noite não apague

A memória das cicatrizes

E cicatrizes de ontem

       Sejam

Sementes de hoje

Para sementeira E floresta de amanhã

 

Como Noé

As espécies conhecem

A sílaba E a substância deste homem

Não há milho

Que não ame o umbigo deste homem

Não há raiz

Que não rasgue a carne deste homem

 

E na fome pública deste homem

Cresce

a ave no voo E a gema na casca

Cresce

o cabo d'enxada E a cintura da terra

Cresce

a porta do sol E o alfabeto da pedra verde

Não há fonte

Que não beba da fronte de tal homem

Que

A erecção deste homem é redonda

E tem o peso da terra grávida

 

© Fontes:

  • COSTA, José Francisco, Poesia africana de língua portuguesa, disponível em: www.cronopios.com.br
  • FORTES, Corsino, Presentation at Bread Matters - Lisboa, Portugal, disponível em: www.breadmatters.org/BM/index, acessado em 12-01-2011

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Mateus Monteiro às 16:08


Comentários recentes

  • Trêza

    Olá!Este post está em destaque na homepage do SAPO...

  • MFonseca

    Gostei da sua historia, mas nao e tudo que foi esc...

  • Trêza

    Este blog está em destaque na homepage do SAPO Cab...

  • Edson Santos

    Caro Professor queria antes de mais felicitar pelo...

  • Trêza

    * petrolífera...